Saphety
16.2.2017

MMOG/LE promove a integração da cadeia de fornecedores no universo automotivo

Poucas indústrias emitem e recebem tantos documentos transacionais diariamente tais como pedidos, programações e avisos de despachos como o setor automotivo. Nesse segmento a eficácia das comunicações é essencial, dado que funcionam num sistema just in time. Ou seja, a encomenda é feita apenas quando necessitam das peças e estas têm de ser imediatamente enviadas/recepcionadas.

Imagine um automóvel. Todas as peças ou itens que o compõem. Estamos falando de milhares, aproximadamente 15 mil. Por isso é fácil perceber o número de documentos envolvidos. Se uma das comunicações falhar, todo o processo fica comprometido.

No mundo do papel o atual funcionamento não é possível. O sistema logístico atual é conseguido num mundo gerido pelas comunicações digitais. E onde as empresas usam e abusam das notas fiscais eletrônicas e outros documentos padronizados.

A grande vantagem da comunicação digital é que as empresas (diga-se os fornecedores da fábrica/montadora) não precisam fazer grandes (ou mesmo nenhum) investimento. A forma mais simples (e eficaz) de colocar todos em comunicação, na mesma língua, é a de adicionar um layer (portal) que sirva de intermediário. A fábrica envia as informações sobre o que necessita encomendar e os fornecedores lêem diretamente no portal ou integram os dados diretamente no seu sistema de gestão (dependendo do avanço tecnológico de cada entidade).

A grande vantagem de uma solução deste tipo (e é a solução do futuro) assenta na rapidez da implementação, do valor do investimento necessário (reduzido) e no fato de permitir, por um lado, servir de interpretador dos vários formatos de documentos utilizados (cada empresa pode usar um formato diferente que o layer faz a decodificação) e o registo de todos os passos. Todos os intervenientes estão sempre atualizados em relação a todo o processo. Com a vantagem adicional da informação ficar arquivada e acessível sempre que necessário.

Um setor tão crítico para a economia brasileira como o automotivo – só para terem uma ideia são mais de 30 fábricas, com mais de 1500 fornecedores – tem obrigatoriamente que trabalhar para eliminar ineficiências. Conseguir que todos utilizem a mesma língua (mesmo que usando formatos diferentes de documentos transacionais) e garantir o envio e recepção antecipada das peças necessárias à montagem dos veículos é algo essencial. E isso só é possível através dos processos de produção e conjunto de ações como este que vem evoluindo todos os anos, o MMOG/LE – Materials Management Operations Guideline/Logistics Evaluation – (que fortalece a troca eletrônica de documentos – EDI) e da utilização da nota fiscal eletrônica. Em momentos de crise (como a que o Brasil atravessa) são essenciais ações que fomentem a eficácia e promovam a produtividade. E o que melhor do que uma solução que melhora a comunicação entre os vários players e incrementa as relações comerciais entre a fábrica e os seus fornecedores?

 

Artigo original publicado no AutoData, a 15/02/2017.

Subject: 2017, EDI & Electronic Invoicing, Brazil

Alexandre Bastos

Publicado por Alexandre Bastos

Senior Technical Consultant at Saphety, Brazil (Linkedin)